Logo-barrasonline

Publicada em 15/09/2016 - 11h20
Da Redação

Showmícios para comemorar o casuísmo administrativo e político de um município mergulhado em dívidas

Comemorar o que? Isso aí?


Showmícios para comemorar o casuísmo administrativo e político de um município mergulhado em dívidas

Daqui a seis dias, novamente vamos ter uma demonstração de como o Prefeito Edilson Capote pensa e executa a administração pública, sem compromisso com a maioria dos cidadãos.

De acordo com o convite que circula nas redes sociais, o Poder Público pretende realizar o maior festival político da história do município, extrapolando até eventos continuados do calendário nacional como o carnaval.

Segundo o folder que divulga a festa, que convencionaram chamar de Semana Cultural, alusiva aos 175 anos de emancipação política de Barras, a mesma se estenderá do dia 21 à 25/09/2016, apenas seis dias antes da realização das eleições de outubro próximo.

No entendimento deste Portal, o Prefeito está mais preocupado com sua reeleição do que com a administração, mergulhada em dívidas e incertezas, indo na contramão da crise que assola o País.

Neste momento, a Prefeitura deixa de honrar compromissos de pagamento de servidores contratados, comissionados, professores, empresas terceirizadas e muitos outros, para gastar com a promoção pessoal do Prefeito e de seu grupo político.

Em verdade, com tantos problemas na área da gestão, não há o que comemorar a não ser fazer uma profunda reflexão sobre o caráter casuístico dessa administração que está findando e quase nada de positivo conseguiu realizar até o momento.

Faltam remédios nos postinhos de saúde, bem como a continuidade de obras de infra-estrutura em vários setores, que seguem abandonadas. O pessoal do Magistério está recebendo seus salários no mês subseqüente e em ordem alfabética, além das férias em quatro parcelas.

Muitos se perguntam de onde virão os recursos para bancar um evento maior do que o carnaval, as festas juninas e o próprio festejo da Padroeira?

Com certeza, dirão que de patrocinadores, assim como no ano passado, quando alegaram a mesma história para ludibriar o Ministério Público que recomendou a suspensão do evento em razão de um Decreto de Emergência Municipal e, aos poucos, as despesas foram aparecendo de forma fragmentada nos balancetes, tendo sido sanadas no primeiro trimestre deste ano.

Mais uma vez usarão os nomes de empresas laranjas para facilitar os trâmites de pagamentos dos shows artísticos previstos, bem como toda a estrutura de palco, banheiros químicos, iluminação, a mesma tática que embala a corrupção e a lavagem de dinheiro público.

Como estamos num período eleitoral, o Prefeito usará a desculpa de evento continuado para atrair a juventude e transformar tudo num atrativo para distribuição de bebidas, camisetas com capotinhos e discursos de aliados que não respeitam a Justiça, ferindo os princípios que regem a coisa pública e mostrando o abuso do poder econômico numa eleição do milhão contra o tostão.

Com a palavra, o Ministério Público e a Justiça Eleitoral!

 

Comemorar o que ? Isso aí?

Obra de Creche abandonada no bairro Santinho

Obra de Creche abandonada no bairro São Cristovão

Obra da Escola Modelo abandonada no bairro Floresta

Obra da Quadra Poliesportiva abandonada no bairro Pedrinhas

Obra não concluida do Campo de Futebol Socyte no Residencial Morada de Barras

Obra do Matadouro Público abandonada na Localidade Ininga

Posto de Saúde no Xique Xique, obra abandonada sem conclusão

 


Fonte: Barrasonline.com
Editor: Editoria


Imprimir Comunicar erro Bookmark and Share